Toffoli diz que 'se tudo vai parar no Supremo, é o fracasso da sociedade, não a solução'

Em evento para banqueiros em SP, ministro do STF diz que país ficou 'travado em 4 anos em um moralismo enfrentando questões de ordem e esquecendo o progresso'.

12/08/2019 15h10

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, disse na manhã desta segunda-feira em São Paulo que "a quantidade de informações presentes na Constituição leva tudo ao STF". "Se tudo vai parar no Supremo, é o fracasso da sociedade, não a solução", defendeu.

"Menos Constituição é menos judicialização", defendeu o ministro em evento com banqueiros na capital paulista.

"Toda reforma da Constituição traz mais peso, maior judicialização. Toda a vida das pessoas vai parar no Judiciário", explicou. "Resguardadas as garantias fundamentais, o que mais precisa estar na Constituição?", questionou.

Segundo Toffoli, o Judiciário atua como 'poder moderador' entre as instituições, comparado, segundo ele, ao papel desempenhado pelos militares no passado no país. Ele criticou, porém, o aumento da participação do STF nas questões políticas.

"Se o Judiciário for além dos seus limites, ele vai ter o mesmo desgaste e o mesmo problema que as Forças Armadas tiveram no passado", salientou ele, defendendo que os meios políticos devem achar soluções para os problemas, "porque o Judiciário só faz soluções provisórias. O Judiciário não é para decidir o presente, mas o passado", afirmou.

Segundo Toffoli, "o Brasil ficou travado em quatro anos num moralismo enfrentando questões de ordem e esquecendo o progresso". "Você nunca vai ter progresso se tiver que ter ordem como uma premissa", salientou.

"A arte da política não é atacar o outro para se autopromover. O juiz tem que ter prudência, tem que ter autocontrole. O poder de um juiz nos STF é muito grande. Os conflitos dos partidos e entre os poderes vão parar no Supremo", disse.

Toffoli defende que a reforma tributária faça “a revogação” do artigo 192 da Constituição do Brasil que trata do sistema financeiro nacional.

Ele defendeu também a necessidade da edição de uma lei complementar para a regulamentação da participação de capital financeiro internacional nas instituições. A lei complementar teria que ser criada pela União, e nunca foi criada, levando, assim, todas as questões sobre o tema ao Supremo.

Diz o artigo 192: "O sistema financeiro nacional, estruturado de forma a promover o desenvolvimento equilibrado do País e a servir aos interesses da coletividade, em todas as partes que o compõem, abrangendo as cooperativas de crédito, será regulado por leis complementares que disporão, inclusive, sobre a participação do capital estrangeiro nas instituições que o integram."

Toffoli defendeu o atual governo federal, afirmando que deve ser “respeitado”.

"O Supremo tem que ter autocontrole e respeitar os outros poderes. Temos que respeitar resultado das urnas, que foi o resultado de 2018. A sociedade tem pressa e quer resultados e serviços públicos funcionando", defendeu o ministro.

Fonte: G1

Anuncie na Nação Jurírica

Faça com que sua marca seja vista por toda a nossa Nação!